segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Cão de raça + Pack de doenças (PROMOÇÃO DO MÊS)

Não, este artigo não vai começar (nem acabar) com a conversa do costume: "ah blábláblá adoptem em vez de comprar" ou "ah blábláblá há tanto cães em canis à espera de um dono...". 

Que pessoa horrível! Acha que se deva comprar cães de raça em vez de adoptar os pobres rafeiros?
Não, mas também tenho noção que as pessoas que compram um cão de raça sabem perfeitamente que há cães rafeiros (e não só) para dar nos canis. Quem está a ler este artigo tem ou está a pensar ter um cão de determinada raça (ou simplesmente lê isto porque adora o sarcasmo aqui contido) e tudo o que eu puder dizer para tentar dissuadir tal indivíduo será em vão. A informação parece tão óbvia que escrevê-la aqui só iria ocupar espaço e tempo ao caro leitor que já decidiu que quer a raça X porque sim.
(Ups, parece que afinal ocupei ainda mais espaço a justificar-me)

Vamos, em vez disso, começar de outra maneira: se quer manter a saúde da sua carteira não tenha animais, mas se quer manter a saúde da sua conta poupança-reforma não compre animais de raça.

Abaixo segue-se uma lista daquelas que, na minha experiência, são algumas das raças mais populares em Portugal. Por razões práticas, só serão abordadas algumas delas, caso contrário não saíamos daqui nem lá para Agosto de 2045.

Algumas das doenças que se seguem não possuem estudos suficientes para determinar se a sua origem é hereditária (passada de pais para filhos), contudo, o senso comum diz-nos que muitas delas provavelmente serão. 
Para os mais interessados há uma secção à direita neste blogue intitulada "Doenças já abordadas neste blogue" onde se encontram os nomes esquisitos que vão aparecendo por aqui e uma breve explicação destes, em alternativa ao Dr. Google
Resta acrescentar que não é recomendada a reprodução de nenhum animal que apresente uma ou mais destas doenças.

Ora então cá vamos nós (*ai que eu já estou a ver muito texto*):

  • Labrador Retriever: muito dócil e inteligente, toda a gente tem ou conhece alguém que tenha um cão, pelo menos, arraçado de labrador. A título de curiosidade, vi uma vez um anúncio do OLX a anunciar uns bebés "'Lavrador' 'Retriver' - Cães 'Scootex'", no título do anúncio só mesmo a palavra "cães" estava bem escrita, ou isso ou então "Scootex" é a nova concorrente marca branca da já tão conhecida marca Scottex do papel higiénico.
    • Doenças mais importantes: basicamente displasias (da anca, do cotovelo e da retina)
    • Outras doenças: alergias, cataratas, diabetes, epilepsia e torção gástrica (evitável com recurso a uma pequena cirurgia)...
  • Pastor alemão: super conhecido pelas séries policiais.
    • Doenças mais importantes: mielopatia degenerativa (descoordenação nas patas traseiras), insuficiência pancreática exócrina, panosteíte (inflamação dos ossos das patas), displasia da anca (claro), hemofilia (dificuldade do sangue em coagular), pannus (inflamação da córnea) e fístula peri-anal (inflamação grave das glândulas peri-anais - à volta do ânus).
    • Outras doenças: sarna por demodex (um parasita da pele), cataratas, displasia do cotovelo, hiperadrenocorticismo (excesso de cortisona no sangue), epilepsia, megaesófago (esófago muito grande), IBD (inflamação persistente dos intestinos), displasia da retina e miastenia gravis (fraqueza muscular que melhor com o repouso)...
  • Caniche (ou poodle): assim como o labrador, toda a gente conhece alguém com um cão arraçado de caniche. Até muitos dos cães de canil, algures no seu passado genético, tiveram um tio-avô longínquo com um primo em 4º grau que talvez fosse caniche.
    • Doenças mais importantes: luxação da patela (coxear intermitente) e displasia da válvula mitral (doença cardíaca comum em cães velhotes pequenos).
    • Outras doenças: criptorquidismo (retenção dos testículos), diabetes, hiperadrenocorticismo, variados problemas oculares (glaucoma, anormalidades na direcção das pestanas, microftalmia...), problemas cardíacos congénitos, epilepsia e surdez.
  • Yorkshire Terrier: mais uma raça que, por quase caber no bolso, se tornou viral, principalmente entre as senhoras.
    • Doenças mais importantes: luxação da patela, shunt porto-sistémico, colapso traqueal e displasia da retina.
    • Outras doenças: cataratas, criptorquidismo, hiperadrenocorticismo, problemas cardíacos congénitos e conjuntivite.
  • Bulldog francês: raça cada vez mais em ascensão no mundo das estrelas caninas, dá vontade de cantar a famosa música infantil com ligeiras alterações ♫ (...) de olhos vermelhos, focinho curtinho, dou muito trabalho, sou um bulldog doentinho (...) ♫
    • Doenças mais importantes: alergias, sarna por demodex, síndrome do braquicéfalo (compreende uma série de doenças) e IBD (inflamação crónica dos intestinos).
    • Outras doenças: megaesófago, variados problemas oculares, hipotiroidismo, problemas de coluna e conjuntivite.
  • Boxer: o Boxer não é muito diferente do Bulldog ou qualquer outra raça que aparente ter ido contra uma porta de vidro.
    • Doenças mais importantes: problemas cardíacos (arritmias, cardiomiopatia dilatada, problemas congénitos...) e mielopatia degenerativa (descoordenação nas patas traseiras).
    • Outras doenças: alergias, torção gástrica, hipotiroidismo, criptorquidismo, sarna por demodex, conjuntivite, cataratas e epilepsia.
  • Pug: a mesma história do Bulldog, 'animais com o focinho muito achatado não pode dar bom resultado'.
    • Doenças mais importantes: síndrome do braquicéfalo (compreende uma série de doenças) e conjuntivite.
    • Outras doenças: alergia, sarna por demodex, dermatite nas pregas de pele e cataratas.
  • Golden Retriever: quase parecem labradores de pêlo comprido, não é? Assim como eles são também muito usados hoje em dia para a assistência a pessoas invisuais ou com algum tipo de incapacidade motora ou mental (a demanda é superior à oferta neste último caso).
    • Doenças mais importantes: displasias tais como as do labrador (da anca, do cotovelo e da retina) e ainda alguns problemas cardíacos congénitos.
    • Outras doenças: alergia, cataratas, epilepsia, hipotiroidismo e shunt porto-sistémico.
Eu tenho bebés de "lavrador" para vender e gostava de saber onde é que a 'xôtora se baseou para tirar estas informações, assim afugenta-me os fregueses...
Esta lista de doenças foi baseada na "Base de Dados de Distúrbios Hereditários Caninos" da Universidade de Prince Edward Island, acessível em inglês aqui, onde uma imensidão de raças se encontra disponível para consulta... mas penso que "lavradores" não constam ainda neste site.

Mesmo se depois de toda esta lavagem cerebral de nomes complicados ainda acha que tem a capacidade financeira e psicológica de comprar um animal destes (e mantê-lo durante uma boa década e tal), seja um dono responsável e não compre através de anúncios no OLX.
Para obter uma lista de criadores credíveis para determinada raça envie e-mail para o Clube Português de Canicultura aqui. Isto fará a diferença, pelo menos, em saber a genética dos pais e se os animais foram despistados para algumas das doenças hereditárias mais comuns, coisa que os "criadeiros" do OLX quase nunca fazem. Muitas vezes mal sabem escrever o nome da suposta raça que estão a vender.
Outro conselho é ir ver as ninhadas; desconfie se o criador não lhe quiser mostrar o sítio onde os cachorros estão ou se a mãe estiver ausente e nunca leve para casa cachorros com menos de 2 meses de idade.
É expectável que o criador faça perguntas acerca do estilo de vida dos futuros donos, de modo a poder recomendar um cachorro em particular baseado no seu temperamento. Um criador responsável irá igualmente oferecer ajuda em qualquer eventualidade num futuro próximo relativa à saúde do cachorro e prontificar-se-á a recolher o animal caso haja algum problema que possa ser da sua responsabilidade.
É igualmente boa ideia perguntar qual a "política de devolução" e qual a atitude do criador caso surjam problemas de saúde pouco após a compra ou em casos onde doenças possivelmente genéticas só se desenvolvam anos depois.

Há maneira de saber se o meu cão é de raça pura?
Há. Aqui até muitos de nós, veterinários, nos podemos enganar. Estudos americanos compararam identificação visual de veterinários com testes de ADN em relação à identificação de raças caninas e apenas 25% dos vets acertaram. Acho muito pouco, mas não se esqueçam que isto foi na América.
A maneira mais infalível é, sem dúvida, através de testes de ADN. Em Portugal não existe ainda nenhuma empresa que comercialize estes testes, mas eles podem ser comprados online, enviados para casa, esfregar um cotonete gigante na boca do cão e enviar para a morada da empresa. Em algumas semanas os resultados serão enviados.

Olhe que boa ideia! E isso é caro?
Os preços que encontrei rondavam todos os 70€ e picos.

Epá isso é muito dinheiro!
Acredito que sim, mas vejamos as vantagens destes testes:

  • Especialmente importante para donos de cães de "raças potencialmente perigosas". Quase sempre a classificação da raça é feita visualmente pelo vet, podendo levar a más interpretações. Como se sabe, os donos destas raças têm que ter uma data de papelada e cuidados com os seus animais. E se de repente o seu "pitbull" fosse apenas 10% American Staffordshire Terrier e os outros 90% uma mistura de outras raças? Acha improvável? Então veja este artigo (em inglês).
  • Se é 'criador' do OLX, ou de quintal, e diz que vende uma raça pura, porque não provar a "pureza" dos pais fazendo um teste a cada um e expondo o certificado, tornando-se assim um vendedor credível na sua comunidade.
  • Outra vantagem, para as pessoas com cães rafeiros (ou raça street dog puríssima),  informar-se em relação às várias misturas de raças das quais o seu cão "é feito", torna-o num dono sensibilizado para os problemas de saúde mais prováveis que o seu amigo possa vir a ter.

Hm... não me convenceu mas vou investigar...
De salientar também que ter um cachorro bebé dá... mesmo... muito... trabalho!! Fazem cocó e xixi por todo o lado, roem tudo, ganem durante a noite, levam-nos o ordenado nas primeiras consultas do veterinário e às vezes ainda apanham doenças, os malvados. Se mesmo assim quer um cão de raça pondere comprar um já em adulto, onde o seu comportamento estará bem mais controlado, as vacinas serão só anuais (ou não, ler artigo sobre vacinações) e provavelmente não custará nem um terço. Contacte os criadores das raças através do formulário acima mencionado e pergunte se não têm um cão/cadela adulto que possam vender por não estar apto para reprodução.

Isto de ter cães de raça é só para ricos!
Nem por isso.
Para quem gostaria de ter um cão de raça e não tem dinheiro ou não quer contribuir para este tipo de economia existem diversas opções, uma delas é uma página no Facebook super activa que promove e divulga a adopção de cães de raça em Portugal. Parece-me uma opção viável entre estética, preço e consciência de cada um. Obviamente os canis municipais lá vão tendo um Husky velhote, um arraçado de labrador perneta, um caniche zarolho ou ainda um pitbull (que nem raça reconhecida é) com uma história de vida miserável cujo dono foi preso por violência doméstica e por isso está para adopção. Estes sítios são os ideais para quem quer adoptar pois, na maioria dos casos, os animais são oferecidos esterilizados, vacinados, desparasitados (importante quando se vem do canil) e, muitas vezes, por terem sido adoptados em canis municipais, usufruem de imensos descontos em clínicas veterinárias parceiras, campanhas de vacinações gratuitas, registo na câmara municipal gratuito... enfim... adoptar, na minha perspectiva, é sempre a melhor opção e é nestes animais que realmente sentimos um profundo agradecimento na forma de linguagem não verbal.
Bolas, afinal acabei mesmo com a conversa cliché dos defensores de animais... 


Todas ou quase todas as raças de cães que se conhecem.
Fonte: imagem gentilmente sacada de http://caomante.blogspot.pt/2013/07/todas-racas-conhecidas-de-caes.html